07/01/2015
FRESP
Fretamento é opção de mobilidade para banco Santander
Empresa visa melhor qualidade de vida aos paulistanos e melhorias para o meio ambiente oferecendo este transporte, entre outros, como alternativa

O paulistano já se acostumou a relacionar a cidade de São Paulo com trânsito caótico, estressante e cinza por causa da poluição. Dados da 7ª pesquisa sobre mobilidade urbana divulgada pela Rede Nossa São Paulo e Ibope revelam que as pessoas hoje gastam em média um mês inteiro do ano presas no trânsito da capital. 

Além das horas perdidas, o meio ambiente acaba sofrendo com a emissão de gases poluentes que afetam diretamente a sociedade, trazendo inclusive problemas de saúde para toda sociedade. Somados a todas estas consequências ainda há inúmeros acidentes causados pela irresponsabilidade de muitos motoristas, resultando até em mortes. Mesmo com as significativas reduções, a cidade de São Paulo fechou o ano de 2013 com 1.152 mortes no trânsito, entre pedestres, motoristas e passageiros, motociclistas e ciclistas de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

No entanto, há opções que favorecem e melhoram a qualidade de vida, e de trabalho, para todos. Para a diretora executiva da Federação das Empresas de Transportes de Passageiro por Fretamento no Estado de São Paulo (Fresp), Regina Rocha, o que falta ainda é uma mudança de cultura, ou seja, um olhar diferente para o modal de fretamento. “As instituições devem incentivar este tipo de transporte que traz benefícios a todas as partes, pois contribui com a redução da poluição, com o número de acidentes, com o excesso de carro e proporciona qualidade de vida do colaborador”.

 

Case Santander

Ciente disso, o banco Santander adotou o fretamento como uma das opções de mobilidade. Além de proporcionar a seus funcionários mais comodidade no trajeto casa-empresa e vice-versa, já que pontualidade e o conforto são itens essenciais prezados por quem oferece este tipo de serviço, a sociedade é a maior beneficiada. 

O banco também promoveu outras alternativas aos seus colaboradores, como o bicicletário, a carona amiga e a flexibilidade de horário, que também colaboraram de forma efetiva com a comodidade de todos.

A meta do Santander é reduzir em 20% suas emissões de gases de efeito estufa até 2015. Para isso, dentre outras iniciativas, o banco incentiva o uso de vários modelos de transportes e dá o exemplo que deveria ser seguido por outras empresas.

Para o Superintendente de Serviços e Atendimento do Santander, Edmar Cioletti, essas ações representam hoje a redução de dois mil carros por dia nas ruas da metrópole. “Nosso objetivo era oferecer facilidades para que os funcionários que utilizam os diversos meios de transporte tenham uma infraestrutura de apoio adequada”.

“A iniciativa do banco é excelente e mostra sua preocupação com a qualidade de vida tanto dos seus funcionários quanto de toda população paulistana. É de extrema importância mostrar o quanto o fretamento é uma opção benéfica na redução de trânsito, de poluentes e acidentes, dentre outros”, afirma Regina Rocha.

 

Sobre a Fresp

A Federação das Empresas de Transporte Rodoviário por Fretamento do Estado de São Paulo (Fresp) é uma entidade sindical de grau superior, constituída com o objetivo de agrupar, representar, coordenar, proteger e estimular o aprimoramento das atividades de transporte de passageiros por fretamento.  

Hoje a FRESP é composta por sete sindicatos: SETFRET, SINFRECAR, SINFREPASS, SINFRESAN, SINFRET, SINFREVALLE e TRANSFRETUR espalhados pelo Estado de São Paulo. Os sindicatos juntos congregam mais de 300 empresas de transporte profissional de pessoas por fretamento.

ícone Topo